Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais leia a nossa Política de Cookies.

Energia renovável sem interrupções

Energia renovável sem interrupções

Água, sol e vento são elementos que não conseguimos controlar. Usufruímos deles para produzir energia 100% verde, mas sabemos à partida do risco da sua intermitência. Através de soluções inteligentes e de uma gestão otimizada dos nossos picos de consumo, todos podemos contribuir para a estabilidade do sistema elétrico.

A transição energética é um processo longo numa corrida contra o tempo. A EDP tem todas as condições para liderá-lo e mobilizar outros agentes da sociedade. O compromisso da empresa com a sustentabilidade do planeta e as energias renováveis já vem de longe e traduz-se em ações concretas, como o encerramento da Central a carvão de Sines em janeiro deste ano e o investimento de 24 mil milhões de euros na transição energética até 2025.

De acordo com a Associação Portuguesa de Energias Renováveis, Portugal encontra-se em quinto lugar do top mundial da incorporação de energias renováveis na produção de eletricidade. No primeiro semestre de 2020, cerca de 59% da energia produzida no nosso país teve origem verde, contra 41% de origem fóssil. Entre as renováveis, a energia eólica e a hídrica merecem destaque, com 26% e 20% respetivamente.

Do lado do consumo, os números refletem também uma maior consciência ambiental e a perceção de que as soluções verdes são também economicamente sustentáveis. Dados do Observatório de Energia, do passado mês de abril, mostram que as energias renováveis representaram mais de 58% da energia consumida em Portugal.

“Mas as renováveis são não só voláteis, como também tendem a não ter os mesmos níveis de inércia que as centrais de carbono”, salienta Michael Phelan, CEO da GridBeyond – empresa líder em soluções de otimização de consumo energético e alvo de seis milhões de euros de investimento da EDP Comercial em 2020. As centrais a carvão, por exemplo, têm o que se chama de “inércia do sistema”. Isto significa que mesmo que uma central colapse, interrompendo a produção de energia, a energia existente nos grandes grupos geradores dará tempo à rede para reiniciar outra central, sem interromper a distribuição de energia. Mas serão as energias renováveis fiáveis o suficiente para assegurar o fornecimento de energia elétrica de forma segura e a baixo custo?

A EDP acredita que sim. É claro que o aumento da produção de energia a partir de fontes renováveis traz novos desafios para manter o equilíbrio do sistema. É necessário encontrar mecanismos que garantam essa estabilidade, de forma a assegurar que não há interrupções no fornecimento.

O armazenamento de energia, na forma de baterias comerciais, é uma das ferramentas críticas para conseguir este equilíbrio da rede, particularmente quando emparelhado com tecnologia Demand Side Response (DSR) para criar uma rede híbrida. Mas não é suficiente por si só.

“Para aumentar com segurança a integração das renováveis na rede, os operadores dependem das novas tecnologias, como as da GridBeyond, para monitorizar o equilíbrio entre procura e oferta e automatizar a redução ou o aumento do consumo de energia do lado da procura”, explica o cofundador da empresa. A aposta na GridBeyond faz parte da estratégia de expansão internacional da EDP Comercial e de liderança da transição energética. Estima-se que o mercado de serviços de sistema, por via da gestão da flexibilidade na carga dos clientes, atinja, a nível mundial, uma capacidade global acumulada acima dos 1.000 GW em 2040 – o equivalente a 46 vezes a atual capacidade instalada em Portugal.

Otimizar o consumo das empresas, rentabilizando-o

Sensibilizar as empresas para o seu papel na transição energética e na manutenção do equilíbrio da rede é crucial. Em 2020, 69% das instalações consumidoras intensivas de energia registadas no Sistema de Gestão dos Consumos Intensivos de Energia pertenciam ao setor da indústria, 27% ao dos serviços e 4% ao da agricultura e pescas. O primeiro passo será otimizar o seu consumo de energia, de forma a que possam utilizar mais energia quando a rede não está sobrecarregada e que abrandem essa utilização, quando a rede mais precisa.

“Muitos consumidores têm cargas flexíveis, cujo funcionamento pode ser ajustado em função das necessidades dos sistemas elétricos”, explica fonte oficial da EDP. As empresas reduzem ou aumentam o consumo energético das suas instalações quando recebem o pedido do operador da rede para o fazer, ajudando desde modo a rede a manter a sua estabilidade. Assim, o sistema torna-se mais estável e reduz-se a necessidade de reservas de gás e carvão quando as fontes renováveis estão intermitentes. Por outro lado, esses negócios tornam-se mais verdes e acedem a programas financeiros lucrativos, pois os operadores da rede pagam-lhes pela sua disponibilidade para suportar o equilíbrio da rede. e flexíveis nos mercados energéticos”.

Glossário

A GridBeyond, líder mundial em tecnologia inteligente para o mercado energético e parceira da EDP, esclarece os principais conceitos da transição energética.

Descarbonização

As emissões de carbono são o principal fator que contribui para o aquecimento global e atualmente constituem 60% da nossa pegada ecológica. O setor da eletricidade é uma indústria-chave que todos os países estão a tentar descarbonizar. A rede está a ficar cada vez mais verde e mais sustentável; mas as metas de descarbonização não podem ser atingidas sem investimento suficiente e políticas que impulsionem e encorajem o avanço tecnológico de todas as indústrias e setores da nossa economia.

Descentralização

Refere-se à redução da dependência de grandes centrais energéticas e à dispersão da produção por centrais mais pequenas. A energia descentralizada é aquela que é produzida perto de onde será utilizada, em vez de uma grande central, em que o transporte depois é feito através da rede. O principal benefício é a diluição dos riscos que provêm da volatilidade da geração das energias renováveis. Por outro lado, uma parte da energia perde-se durante o transporte; com a geração distribuída, o sistema torna-se mais eficiente, reduzindo as suas perdas.

Demand Side Response (DSR)

É um termo que abrange um tipo de serviço energético que os consumidores de eletricidade podem usar para manter a rede equilibrada. A DSR (cuja tradução é “Resposta do Lado da Procura”) oferece uma solução para o problema da intermitência das energias renováveis. Os grandes utilizadores de energia dos vários setores que decidem tirar partido de programas DSR ajudam os operadores de rede a atingir as metas de descarbonização, enquanto beneficiam de receitas adicionais e economizam custos energéticos.

Digitalização

O mercado energético está a passar por mudanças complexas. Como tal, exige uma gestão e monitorização efetivas através da aplicação de tecnologias de ponta em todas as áreas do sistema de eletricidade, desde a geração à transmissão, distribuição, oferta e procura. A total descarbonização da economia começa com soluções tecnológicas avançadas que ajudam a eliminar os combustíveis fósseis das redes energéticas. Isto só será possível quando a rede se digitalizar ao ponto de conseguir gerir níveis mais elevados de produção renovável e descentralizada, quando integrar tecnologias como os veículos elétricos e desbloquear a flexibilidade para equilibrar a procura e a oferta. A tecnologia é vital para garantir que a meta para 2050 definida pelo Acordo de Paris é atingida.

Estabilidade

As energias solar e eólica são altamente intermitentes devido às alterações meteorológicas. Isto cria problemas com o equilíbrio entre a oferta e a procura e altera a estabilidade da rede. Para aumentar com segurança a sua integração na rede, os operadores dependem das novas tecnologias, como as da GridBeyond, para monitorizar o equilíbrio entre procura e oferta e automatizar a redução ou o aumento do consumo de energia do lado da procura. O armazenamento de energia, na forma de baterias comerciais, também se tornou numa ferramenta crítica para o equilíbrio da rede.

Flexibilidade

No contexto da energia, é definida como a diferença entre a máxima ou a mínima quantidade de energia que um equipamento ou local pode consumir enquanto trabalha devidamente, sem qualquer impacto na sua integridade operacional. O papel das grandes empresas de indústria e comércio na economia descarbonizada é tornarem-se participantes ativos e flexíveis nos mercados energéticos, explorando as oportunidades do mercado e as tecnologias inteligentes.

Se quer conhecer mais sobre a transição energética e as oportunidades que a sua empresa pode ter nesta área, assista ao EDP Business Summit.,

Acompanhe a conferência no dia 17 de junho | Inscreva-se Agora
EDP Comercial
EDP Business Summit

Líderes e empresas comprometidos com a transição energética

Saiba Mais