Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais leia a nossa Política de Cookies.

O sol indica o caminho

O sol indica o caminho

Mais barata, mais limpa, mais acessível. A presença da energia solar entre as renováveis está em franco crescimento, mas há ainda um longo caminho a percorrer. O futuro exige regulamentação inovadora, mais tecnologia e mais investimento. A EDP assume o seu papel como líder e aposta forte nos seus clientes e parceiros.

Publicado em 25 de Junho de 2021 às 08:00

Esta é uma década decisiva para a revolução solar”, anunciou Gabriel Nebreda, diretor da EDP Solar Espanha, na sua intervenção na EDP Business Summit’21, no painel “Creating a Brighter Tomorrow: The Sun Leads the Way”. “Qual a empresa que quer ficar para trás sabendo que os consumidores estão a por a sustentabilidade à frente?”, questiona. E uma das formas mais fáceis, rápidas e baratas de reduzir a pegada de carbono é a instalação de painéis solares fotovoltaicos. Conforme explicou, para o setor empresarial, avançar com este tipo de iniciativas mostra aos clientes o empenho num caminho mais sustentável, que estes cada vez mais querem seguir, bem como tornar-se-á numa fonte de poupança e de rendimento.

Atualmente, os estímulos económicos para a recuperação pós-pandemia e os pacotes financeiros disponibilizados pela União Europeia constituem uma excelente oportunidade para se avançar para soluções descarbonizadas – mesmo para os clientes residenciais.

Soluções no mercado

A própria EDP, mais uma vez ao lado dos clientes, disponibiliza soluções à medida das suas necessidades e orçamentos. Com o modelo “As-a-Service”, por exemplo, o investimento na instalação solar é suportado pela EDP. “Podemos colocar painéis solares no seu telhado sem qualquer custo. Trata mos de tudo”, explicou o diretor da EDP Solar Espanha, à audiência online. E, ao contrário do que se pensa, “70% dos telhados são elegíveis para a instalação de painéis solares”, destacou Nebreda, desmistificando: “Não posso ter painéis porque não tenho sol suficiente na minha zona, é um mito.

Na Península Ibérica, há mais radiação do que se pensa. Se pedirem um estudo de radiação à EDP, de certeza que vão ficar espantados com o resultado”. Para o especialista, o futuro está nas comunidades locais de energia: “Poderá poupar na fatura, apenas por partilhar com os vizinhos a sua energia solar”. E rematou: “Na EDP acreditamos que a mudança só acontece se todos pudermos participar”.

Pioneiros e visionários

A queda dos custos de fabrico dos painéis fotovoltaicos, o seu design mais moderno e variado, as inúmeras opções de financiamento e instalação, bem como o rápido retorno do investimento – através da redução da fatura de eletricidade e da venda da energia excedente ao operador da rede – são fatores determinantes para o cres cimento do setor solar. Em Portugal, de 2012 a 2021, a capacidade instalada dos parques solares quadruplicou: de 244 MW passou para 1067 MW.

Com mais de 300 dias de sol por ano, tudo indica que a trajetória se manterá, como salientou Bernard Piccard: “Portugal tem uma posição privilegiada e a EDP, como companhia líder, também”. Orador convidado a abrir a EDP Business Summit’21, o explorador Bertrand Piccard, profundo conhecedor das potencialidades da energia solar – pois foi o primeiro homem a dar a volta ao Mundo num avião movido com recurso apenas aquela energia – “o que pode ser feito no céu também pode ser feito no chão”, referiu na sua intervenção, acrescentando que é preciso explorar todas as hipóteses, sobretudo no que diz respeito às potencialidades desta fonte de energia.

“Para as empresas pode ser assustador, mas é a única forma de sobreviver. Para nós, exploradores, é mais fácil perceber que temos de arriscar.” E conclui: “Todas as oportunidades de negócio estão disponíveis hoje, mas são utilizadas apenas pelos pioneiros”.

Parcerias de sucesso

Com mais de 800 projetos de parques fotovoltaicos em empresas de Portugal e Espanha, a EDP é um dos líderes de solar distribuído da Península Ibérica. Na sua intervenção, Gabriel Nebreda, destacou três exemplos.

Exide

Multinacional fabricante de baterias Da parceria com esta empresa, no modelo “As-a-service”, já resultou a instalação do maior parque fotovoltaico de Portugal com sistema de armazenamento de energia. Ao todo, são mais de 10000 painéis solares numa área de 20000 m2 em Castanheira do Ribatejo e Azambuja. A energia produzida cobre parte da eletricidade consumida pelas duas unidades, permitindo uma poupança significativa e reduzindo as emissões de CO2 em 31000 toneladas. “que se estendeu a Espanha e que deve alargar-se também a Itália e Polónia.”

Millennium BCP

Instituição bancária São 3700 painéis solares instalados em três dos seus edifícios no TagusPark, em Oeiras, com 1MWp de potência instalada, que permite produzir cerca de 1,3 GW/ano. Esta solução suporta 10% do total de consumo da instituição e representa uma poupança de cerca de 16,3% na fatura de eletricidade. Permitiu também reduzir anualmente em 572 toneladas emissões de CO2.

Burger King

Cadeia de restauração Instalação de mais de 12000 painéis solares em 300 restaurantes, em Espanha. Permitirá gerar energia suficiente para preparar mais de 39 milhões de hambúrgueres e reduzir as emissões de CO2 em mais de 2300 toneladas por ano. A parceria deverá alargar-se em breve para Portugal.

Acompanhe a conferência no dia 17 de junho | Inscreva-se Agora
EDP Comercial
EDP Business Summit

Líderes e empresas comprometidos com a transição energética

Saiba Mais